quinta-feira, 3 de julho de 2014

Facebook pede desculpas após experimento que manipulou emoções de 700 mil usuários do site


Diretora de operações do Facebook,
 Sheryl Sandberg avaliou teste como ‘fraco em comunicação’. Imagem:
Reuters
SÃO PAULO – A diretora de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, pediu desculpas aos usuários da rede social pelos experimentos feitos com eles durante uma semana de janeiro de 2012. “Era parte de uma pesquisa testando um produto novo, mas com pouca comunicação. Nós pedimos desculpa. Nunca quisemos incomodar nem machucar nossos usuários”, disse ela ao Wall Street Journal.


O teste, revelado nessa semana por reportagens após a publicação de um artigo científico, tentava demonstrar que as emoções poderiam ser contagiosas a partir do que os usuários viam no seu feed de notícias.

De acordo com o teste, uma parte dos usuários recebia postagens mais positvas, e respondiam a elas postando atualizações felizes. O mesmo foi feito com mensagens negativas – estima-se que cerca de 150 mil pessoas tenham recebido estímulos tristes e respondido a elas com mensagens amargas e melancólicas.

O estudo foi conduzido sem notificações ou consentimento aos usuários, e, na época, os Termos e Condições de Uso do site não continham uma cláusula em que os participantes da rede social concordavam em passar por pesquisas e testes para melhorar o funcionamento do Facebook.

Entretanto, segundo a lei federal americana que versa sobre os experimentos com humanos, todos os 700 mil usuários afetados pela pesquisa deveriam ter consentido sobre sua participação.

A questão levantou dúvidas com relação aos limites do que o Facebook (e outras empresas de tecnologia e redes sociais que lidam com dados pessoais) podem fazer para ter seus objetivos levados adiante, além de continuar uma discussão que já acontece há tempos sobre os métodos do Facebook na manipulação do feed de notícias. (Bruno Capelas, Link)

Facebook fez teste de emoções com 700 mil usuários sem avisá-los

SÃO PAULO – O Facebook realizou uma pesquisa com as emoções de 700 mil usuários durante uma semana em janeiro de 2012, testando se as publicações exibidas em seu feed de notícias teriam a capacidade de fazê-los se sentirem mais felizes ou mais tristes, replicando no ambiente virtual o tipo de reação que teriam se a interação fosse de pessoa para pessoa. O estudo da empresa foi revelado em um jornal científico em 17 de junho, e provocou discussões na internet sobre a ética da empresa.

A intenção dos pesquisadores do Facebook era descobrir se a visualização de posts positivos implicaria em atualizações de status mais felizes, tentando saber se palavras na tela luminosa teriam o mesmo efeito contagioso que uma risada ou um bocejo. Apesar de nenhuma interação humana real, pessoas que tiveram feeds com teores negativos, gerados pelo algoritmo da empresa, postaram mensagens mais amargas. Segundo os testes, mais de 150 mil pessoas foram selecionadas por esse aspecto pelo experimento – e não foram avisadas por isso.

Cobaias involuntárias

Na verdade, o Facebook não precisaria avisar seus usuários. Entre os Termos de Condições de Uso da rede social, existe uma cláusula no qual os usuários concordam em ter seus dados (e a vida) sob “análise de dados, testes, pesquisas e desenvolvimento e melhoria do serviço.

Porém, isso não muda o fato de que muitos dos usuários não estavam preparados para passar por uma experiência desse tipo – que pode ser realizada por qualquer empresa que utiliza dados de seus usuários como fonte de receita. Porém, ao serem usados em uma pesquisa acadêmica, e não internamente, os testes pedem por outras preocupações éticas.

“O estudo afetou os participantes de maneira negativa. Isso é ruim, mesmo sabendo que se trata do Facebook”, declarou o professor de direito da Universidade de Maryland James Grimmelmann, em uma das críticas mais fortes ao experimento. Segundo Grimmelmann, o fato do estudo prejudicar os usuários faz com que a cláusula nos termos de serviço não seja suficiente para obedecer à lei americana, que pede o consentimento informado dos participantes.

O professor conclui suas declarações chamando o estudo de “escândalo”, e questionando se ela serve à dignidade e ao bem comum. Para Max Masnick, pesquisador de epidemologia entrevistado pelo The Guardian, a questão é simples. “Como pesquisador, você não ganha um passe livre de ética porque um usuário marcou sim em uma caixinha”. (Link Estadão / Cultura Digital)

Editado por Gazeta Social
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...