sexta-feira, 9 de maio de 2014

Nasa tenta ajudar a salvar Terra de asteroides mortais: 'Os dinossauros estariam preocupados'


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Com nada menos que o futuro do planeta Terra em jogo, a Nasa decidiu recorrer a sugestões externas para detectar e rastrear asteroides que tenham o potencial de acabar com a vida tal como a conhecemos.

Depois que um asteroide previamente não detectado de 19 metros de largura explodiu sobre a Rússia em fevereiro de 2013, liberando uma força equivalente à explosão de 500 mil toneladas de TNT, a Nasa lançou uma série de concursos para rapazes espertos de todo o globo sugerirem maneiras de vigiar asteroides que poderiam ameaçar a Terra.


Atualmente, a Nasa estima que somente 1% dos milhões de asteroides que circulam por nosso sistema solar foi descoberto.

A Nasa chamou a série de concursos que forma a Asteroid Grand Challenge "um amplo chamado à ação" para defender a Terra de qualquer número de asteroides que possa estar avançando em nossa direção neste instante.

Leia também: 

"Boas ideias podem vir de qualquer parte", disse Ben Burress, astrônomo no Chabot Space & Science Center em Oakland, que não está filiado ao Asteroid Grand Challenge da Nasa. "Há milhões de asteroides que não conhecemos, por isso a ideia de obter mais informação é realmente melhor. Vamos ser atingidos? Sim. A questão é, quando e o tamanho do asteroide."

Num vídeo anunciando a série de concursos, um narrador da Nasa diz: "A caça ao asteroide é uma atividade em que qualquer um pode se envolver, seja escrevendo um código de computador, construindo hardware, ou fazendo observações por um telescópio. A sobrevivência é sua própria recompensa. Cabe a cada um de nós proteger nosso planeta de asteroides".

E num lance para todos os cidadãos da Terra, o narrador diz: "Os dinossauros teriam se preocupado se soubessem deste problema".

Com a Nasa fora do negócio de lançar seres humanos ao espaço - e o astro de ação e matador de asteroides Bruce Willis no banco - a "defesa da Terra", como a Nasa a chama, está nas mãos de simples mortais.

Cientistas cidadãos. A Nasa primeiro convidou o que chama de cientistas cidadãos para se unirem na busca de asteroides mortais em março no festival South by Southwest em Austin, Texas, durante uma sessão intitulada "Seremos mais Inteligentes que os Dinossauros?"

Na sexta-feira, a Nasa encerrou terceiro concurso de sua competição para criar um algoritmo para detectar asteroides ocultos. Não menos do que 422 pessoas de 63 países - da Argentina ao Zimbábue - enviaram soluções algorítmicas.

A porta voz da Nasa, Sarah Ramsey, não soube dizer de imediato se chegaram contribuições das mentes mais brilhantes na escrita de algoritmos do Vale do Silício.

No total, a Nasa pretende dar US$ 35 mil este ano para pessoas que consigam imaginar como identificar asteroides ocultos.

Os concursos de algoritmos são administrados pelo Centro de Excelência para Inovação Cooperativa da Nasa. O centro usa o Tournament Lab da Nasa e sua parceria, a Harvard Business School, para seus concursos de desenvolvimento de algoritmo e software.

"Nos três últimos anos, a Nasa veio aprendendo e avançando a capacidade de aproveitar habilidades dispersas em algoritmo e codificação por meio do Tournament Lab da Nasa para resolver problemas complexos", disse o diretor do laboratório, Jason Crusan, numa declaração. "Agora estamos aplicando nossa experiência em concursos de algoritmos para ajudar a proteger o planeta de ameaças de asteroides pela análise de imagens."

Algoritmos. Este ano, a Nasa espera receber algoritmos de cientistas cidadãos que lhe permitirão encontrar e rastrear asteroides, identificar seu tamanho e forma, e se eles representam ameaças para a Terra - e depois criar maneiras de impedir que eles colidam e destruam nossas plantas, animais e seres humanos."

"Este é um grande problema global que precisa de todos para ser resolvido", disse Ramsey. "Não podemos fazê-lo sozinhos. Esta é a questão toda do grande desafio."

A Nasa planeja dez concursos este ano. Perguntado sobre quanto tempo durará o Asteroid Grand Challenge, Ramsey disse: "Até o problema ser resolvido".

Impactos de asteroides e meteoros

Eis os 10 impactos de asteroides ou meteoros mais recentes que deixaram uma "estrutura" - ou cratera.

1. cratera Kamil; Egito; data desconhecida
2. cratera Carancas; Peru; 7 anos atrás
3. cratera Sikhote-Alin; Rússia; 67 anos atrás
4. cratera Wabar; Arábia Saudita; 140 anos atrás
5. cratera Haviland/ Kansas; 1.000 anos atrás
6. cratera Sobolev; Rússia; 1.000 anos atrás
7. cratera Whitecourt, Alberta, Canadá; 1.100 anos atrás
8. cratera Campo Del Cielo. Argentina. 4.000 anos atrás
9. cratera Kaalijarv; Estônia; 4.000 anos atrás, mais ou menos 1.900 anos
10. cratera Henbury; Território Norte da Austrália; 4,200 anos atrás, mais ou menos 1.900 anos.

Nota: A lista não inclui asteroides que explodiram na atmosfera sem atingir a Terra.
Fonte: Planetary and Space Science Centre (PASSC) Earth Impact Database

Dan Nakaso 
San Jose Mercury News via O Estado de S. Paulo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...